Serviços Repórter Parintins

Caprichoso perde prazo, não recorre e Justiça penhora todos os galpões

Caprichoso perde prazo, não recorre e Justiça penhora todos os galpões Foto: Marcondes Maciel Notícia do dia 10/09/2018

A Associação Folclórica Boi-Bumbá Caprichoso teve os três galpões penhorados de uma única vez e o setor administrativo por determinação da 8ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho da Comarca de Manaus com a finalidade de efetuar pagamento de dívida contraída com a empresa Comércio e Indústria Equilíbrio Ltda, de propriedade da empresária Ana Paula Perrone.

 

A decisão judicial (processo 0616217-25.2016.8.04.0001), por meio de carta precatória assinada pela juíza Onilza Abreu Gerth, se deu após inúmeras notificações ao presidente do Caprichoso, José Tupinambá Ribeiro Pontes, para que fosse pago a dívida estimada em R$ 256.300,80. Os mandados de intimação foram expedidos no dia 26 de julho de 2018. Entretanto, a direção do bumbá perdeu o prazo para recorrer.

 

Como não houve o interesse do dirigente do azul e branco em pagar a dívida e nem se manifestar através de recurso sobre o assunto, foi determinado a penhora do galpão central, localizado na esquina das ruas Barreirinha e Fausto Bulcão, do galpão construído em alvenaria e concreto e coberto com esquadria metálica localizado na rua Fausto Bulcão e do terreno com muro na rua Barreirinha.

 

A dívida é referente a fornecimento de camisas com estampas para os integrantes do bumbá nos anos de 2009 e 2010, na gestão do presidente Carmona Oliveira.

 

A reportagem falou com o presidente Babá Tupinambá por telefone, porém, ao ser questionado sobre o processo judicial, simplesmente deligou o telefone. O vice-presidente Jender Lobato não atendeu as ligações.

 

Leilão

O Caprichoso terá o galpão de alegorias construido em madeira leiloado nesta terça-feira, 11 de setembro, ou no próximo dia 18 de setembro. O galpão está localizado no cruzamento das ruas Fausto Bulcão, Barreirinha e Nhamudá no bairro João Ribeiro.

 

Uma dívida contraida em 2010 com a empresa Rio Copacabana Comércio de Fogos de Artifícios Ltda no valor de R$ 150 mil, na gestão do então presidente Carmona Oliveira Filho, gerou a ação que hoje está no valor de R$ 437 mil.

 

Marcondes Maciel | Repórter Parintins

Serviços Repórter Parintins