Serviços Repórter Parintins

ADAF alerta criadores de gado de Parintins para prazo final da vacina do rebanho

ADAF alerta criadores de gado de Parintins para prazo final da vacina do rebanho Foto: Marcondes Maciel Notícia do dia 16/04/2018

A equipe técnica da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (ADAF) em Parintins alerta os criadores quanto ao prazo final para obrigatoriedade de comprar e vacinar nos animais que constam do cadastro da Agência de Defesa Agropecuária no município.

 

De acordo com a gerente da ADAF em Parintins, a médica veterinária Cláudia Ramos, os criadores têm até o dia 30 de abril para adquirir as vacinas nos postos autorizados. Caso percam o prazo receberão auto de infração do órgão fiscalizador.

 

“A gente pede para os produtores que não deixem para a última hora. Estamos apenas com 21% do rebanho notificado e vacinado, no universo de mais de 60 mil cabeças de gado. Compre sua vacina e leve o gado para aplicar, uma vez que no dia 30 de abril acaba a campanha e será interrompida a venda da vacina”, pontuou.

 

Cláudia Ramos informou que o produtor que perder o prazo e deixar de vacinar o gado vai ter que vir ao escritório, pegar a autorização e pegar uma taxa de infração.

 

A campanha começou no dia 15 de março em toda a região. A meta da ADAF é vacinar 60 mil animais contra a febre aftosa, entre bovinos e bubalinos, atingindo 100% de cobertura em Parintins, de acordo com o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa, que tem como estratégia principal a manutenção de zonas livres da doença.

 

Após o período de vacinação, o produtor tem um prazo até 15 de maio para apresentar na ADAF a notificação da vacina.  “O produtor que não vacinar sofre as penalidades da lei, multa de R$ 40,00 por cabeça mais R$ 300,00 por propriedade”, informou. Cláudia explicou que o controle é feito por meio do cadastro dos animais.

 

O secretário de Pecuária, Agricultura e Abastecimento, Edy Albuquerque, considera de extrema importância a vacinação do rebanho e exalta a atuação da ADAF por ser uma grande parceira no fortalecimento do setor primário do município. Ele avalia que o impacto da febre aftosa prejudica os produtores, empresários e famílias rurais, tem relevância na questão social e econômica, já que no contexto de comércio, há uma implicação muito importante relacionada à imagem dos municípios e estados no mercado, quando ocorrem focos da doença.

 

Marcondes Maciel | Repórter Parintins

Serviços Repórter Parintins