Serviços Repórter Parintins

A história do vinho passada de Baco a Brás Cubas no enredo do Cruz de Malta

A história do vinho passada de Baco a Brás Cubas no enredo do Cruz de Malta Foto: Marcondes Maciel Notícia do dia 12/02/2018

A trajetória do vinho, desde Dionísio ou Baco da Roma antiga até chegar ao Brasil pelas mãos do fidalgo português Brás Cubas, foi o tema central defendido no Carnailha 2018 pelo Bloco Cruz de Malta, com o tema: “Vinho, da água pro vinho videira da vida”.

 

Na abertura da apresentação do bloco o presidente Alfredo Coelho pediu um minuto de silêncio em homenagem póstuma aos artistas falecidos em acidente de trabalho no Carnailha 2017.

 

De acordo com o presidente do bloco Alfredo Conceição Coelho, o enredo foi baseado na pesquisa em que o vinho simboliza a fertilidade, conhecimento, prazer, iniciação, bem como o sagrado e o amor divino.

 

Na sinopse do tema consta que devido a sua coloração, o vinho está relacionado com o sangue e representa a porção da vida, da imortalidade, considerado, acima de tudo, a bebida sagrada dos deuses.

 

Símbolo da cultura europeia, na idade média, foi uma bebida muito consumida, uma vez que nesse período incentivaram-se a produção do vinho. Além de ser empregado para fins religiosos, de entretenimento e diversão, o vinho substituía a água.

 

Os argumentos defendidos na temática contam que Dionísio, Baco para os romanos, é o deus grego do vinho, da viticultura e da fertilidade. Em oposição a Apolo, na mitologia, Dionísio era a divindade do excesso, da expansão do riso, das alegrias profanas, além de ser cultuado nas colheitas de outono, por isso associar-se aos deuses da colheita.

 

No Brasil

Do primeiro cultivador do Brasil, um fidalgo português chamado Brás Cubas, lá em 1532, passados pelos diversos obstáculos à qualidade do vinho do brasileiro até chegar aos desafios impostos no país pelo ainda baixo consumo de vinho na época.

 

A Comissão de Frente compostas por 12 integrantes representa os portugueses e os padres, em uma coreografia assinada por  Ewerton Soares. A ala de turiris representa a felicidade, vinho e alegria da vida. A Rainha Raquel Farias se apresentou com a fantasia Fertilidade.

 

O carro alegórico conduzindo uma caravela, uma vez que o bloco foi fundado pelos torcedores do Clube Vasco da Gama, confeccionado pelo artista Alexandro Rodrigues, trouxe a temática alegórica “Da água pro vinho, videira da vida”. No total foram 700 de brincantes.

 Assita o vídeo do bloco Cruz de Malta

Marcondes Maciel | Repórter Parintins

Serviços Repórter Parintins