Princípio de incêndio na Fametro-Parintins deixa alunos em pânico: aulas retornam na segunda-feira

Princípio de incêndio na Fametro-Parintins deixa alunos em pânico: aulas retornam na segunda-feira Fotos: Josiete Serrão/CNA7 Notícia do dia 07/11/2019

Um curto circuito na caixa de luz, ocorrido por volta das 20h30min, interrompeu as atividades acadêmicas da Fametro - Faculdade Metropolitana de Manaus, unidade Parintins, localizada na Avenida Paraíba, bairro Itaúna 1.

 

De acordo com as primeiras informações obtidas pelo CNA7 a fumaça proveniente do local era tóxica e alguns alunos chegaram a passar mal, sendo obrigados a abandonar as salas de aula.

 

IMG-20191107-WA0294

 

Conforme as imagens registradas as salas ficaram cheias de fumaça sem oferecer condições de prosseguir com as atividades.

 

IMG-20191107-WA0293

 

Para o REPÓRTER, a diretora da Fametro, Lanira Garcia, tentou minimizar o sinistro e o drama vivido pelos alunos impactados com o princípio de incêndio.

 

Do lado de fora do prédio, Lanira tentava um contato com um profissional habilitado para resolver a situação e informar as causas do curto circuito.

 

O prédio da Fametro é novo e foi construído em área alagadiça, localizado ao lado de um posto de gasolina, de propriedade do antigo dono do imóvel.

 

No local funcionava um comércio de ferragens que foi adaptado para funcionar as atividades do ensino superior.

 

A Fametro iniciou suas atividades letivas no dia 12 de agosto. Portanto, ainda está no primeiro período da primeira turma.

 

Conforme Lanira Garcia, a Universidade possui quatro turmas semipresencial com 150 alunos, cujas atividades funcionam de segunda a quinta-feira.

 

Por telefone, no fechamento da matéria, Lanira informou que a situação está sob controle e que amanhã, sexta-feira (08) uma equipe composta de dois engenheiros e eletricistas chegam a Parintins para realizar o serviço de reparo na fiação atingida pelo curto.

 

Tão logo a reitoria em Manaus tomou conhecimento da gravidade dos fatos, a pro-reitora Sinara Cardoso determinou que o problema deveria ser resolvido por profissionais vinculados a instituição.

 

A diretora não comentou sobre o valor do prejuízo, mas ressaltou que as atividades retornam na segunda-feira.

 

Por Neudson Corrêa

Tags: