FVS confirma dez casos de Doença de Chagas em Barreirinha, e um segue em investigação

FVS confirma dez casos de Doença de Chagas em Barreirinha, e um segue em investigação Foto: Arquivo Repórter Parintins Notícia do dia 10/09/2019

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) informa a confirmação de dez casos de Doença de Chagas Aguda de Transmissão Oral, procedentes do Distrito de Cametá do Ramos, localidade rural do município de Barreirinha (a 512 quilômetros de Manaus). O fato aconteceu no domingo, 8/09.

 

Todos os pacientes são oriundos de uma mesma família. Nesta terça-feira (10/09), uma equipe composta por cinco técnicos da FVS das áreas de vigilância ambiental, sanitária, epidemiológica, diagnóstico laboratorial e também um médico infectologista da Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), será deslocada para Barreirinha, onde deve permanecer até o sábado (14/09).

 

Os dez pacientes com diagnóstico confirmado e os outros dois casos em investigação estão sendo acompanhados ambulatorialmente na FMT-HVD, em Manaus. Os pacientes com diagnóstico já confirmado relataram o histórico de ingestão de suco de patauá e caldo de cana de açúcar. A Doença de Chagas Aguda de Transmissão Oral é uma doença infecciosa grave, causada por um protozoário conhecido por Trypanosoma cruzi, que é transmitido pela ingestão de alimento contaminado com os parasitas presentes nas fezes dos insetos vetores, chamados de barbeiros.

 

A diretora-presidente da FVS, Rosemary Costa Pinto, explica que a equipe segue para o município para apurar as possíveis causas da transmissão. “Considerando que nunca foi registrada no Estado do Amazonas a ocorrência de surto de Doenças de Chagas Aguda por contaminação de suco de patauá ou caldo de cana de açúcar, é necessária uma investigação entomo-epidemiológico aprofundada para o esclarecimento da causa do surto”, avaliou.

 

Transmissão 

A FVS-AM alerta para os riscos de contaminação de alimentos por parasita Trypanossoma cruzi, principal transmissor da doença, principalmente na hora da compra, preparação, conservação e consumo de alimentos. No Amazonas, a principal forma de transmissão da doença se dá por meio de ingestão de suco de açaí contaminado.

 

Sintomas 

Os doentes podem apresentar um quadro de febre constante, inicialmente elevada, diarreia, vômito, dores de cabeça e musculares. Casos complicados podem evoluir com manifestações cardíacas, além do comprometimento do fígado e baço.

 

O diagnóstico precoce e o tratamento imediato previnem as formas crônicas da doença e a ocorrência de óbitos. A FVS-AM realiza de forma sistemática o treinamento dos microscopistas da malária para que também realizem o diagnóstico oportuno para Chagas.

 

A principal forma de prevenção é evitar que o inseto forme colônia nas frestas de telhado e parede. Além disso, no caso de consumir produtos in natura, é necessário conhecer bem a procedência. O tratamento da doença é disponibilizado em todas as unidades da rede pública de saúde.

 

Mais sobre o assunto

No início da tarde desta terça-feira, 10/09, o REPÓRTER, em contato com o diretor do Hospital Estadual de Barreirinha Coreolano Lindoso, Mário Carneiro, obteve a informação de que já chega a 16 o número de pessoas com os mesmos sintomas da doença, sendo que mais duas estão sendo acompanhadas pela equipe médica do município com quadro clínico parecido.

 

Mário Carneiro afirma que os coletores da natureza fazem parte de uma cooperativa que fornece o produto in natura para a população.

 

Os pacientes foram encaminhados para o hospital de Barreirinha com suspeita de dengue, mas como não foi constatado o sintoma da doença retornaram para Cametá do Ramos e novamente voltam a passar mal.

 

As pessoas com o quadro clínico agravado se deslocaram até Boa Vista do Ramos, devido a proximidade com o município, onde foi feito análise da gota espessa, sendo que nos quatro primeiros pacientes foi detectado caso da Doença de Chagas.   

 

“Após a confirmação da doença os pacientes foram encaminhados para a cidade de Itacoatiara, onde foram feitos novos exames, que também deram positivo para a doença de Chagas. Esses pacientes foram encaminhados para Manaus”, comentou Mário Carneiro.

 

Mário Carneiro assegura que além das pessoas da mesma família que manipulam o produto, que contraíram a doença, algumas que consumiram o vinho de patauá e caldo de cana foram diagnosticadas com a Doença de Chagas.

 

Os seis novos pacientes que já estão na unidade de saúde de Barreirinha iniciaram tratamento específico.

 

O diretor do Hospital de Barreirinha comenta que o estado de saúde dos pacientes é estável. “No início eles estavam um pouco debilitados, não conseguiam se alimentar, mas receberam atendimento, receberam tratamento. Nenhuma das pessoas confirmadas está com o quadro grave da doença”, enfatiza.

 

“Vale ressaltar que anteriormente nunca tinha sido registrado nenhum caso da Doença de Chagas no município, mesmo que seja por ingestão. Não era considerada uma área endêmica”, pontua o diretor do Hospital Estadual de Barreirinha.

 

Tags: